ESTIU 1993 | ESPANHA | 97 MIN | 2017 | DRAMA | 12 ANOS

ESTREIA
Guion Center 3 – 14h
Guion Center 2 – 15h40 – 19h25

De 7/12 (quinta-feira) até 13/12 (quarta-feira)

Direção e Roteiro:
CARLA SIMÓN

Elenco:
LAIA ARTIGAS, PAULA ROBLES, BRUNA CUSÍ, DAVID VERDAGUER, FERMI REIXACHA

Apresentação

Primeiro longa-metragem da diretora catalã Carla Simón é autobiográfico e foi duplamente premiado no Festival de Berlim 2017. Melhor Primeiro Filme e Prêmio do Júri na mostra Generation.

O filme traz a comovente história da menina Frida (Laia Artigas). Aos seis anos, após perder a mãe, vítima do vírus da AIDS, Frida vai morar com os tios e a prima no interior da Espanha, numa localidade próxima de Barcelona. O emocionante filme recebeu muitos elogios da crítica e do público com destaque para a direção e também para o elenco, principalmente para LAIA ARTIGAS, que interpreta Frida, e para PAULA ROBLES, que interpreta sua prima, Anna.

THE HOLLYWOOD REPORTER destacou que o filme é “um profundo e comovente retrato familiar” e o EL PAÍS afirmou que VERÃO 1993 é “um dos filmes espanhóis mais impressionantes deste ano”.

VERÃO 1993 foi considerado um dos Melhores Filmes Estrangeiros de 2017 da National Board of Review, uma das premiações que é considerada termômetro para o Oscar.

Além das excelentes críticas da imprensa e do público, o drama foi premiado em diversos festivais como Berlim, Londres, Buenos Aires, Málaga, etc.

Premiação

FESTIVAL DE BERLIM 2017
MELHOR PRIMEIRO FILME
PRÊMIO DO JÚRI NA MOSTRA GENERATION

REPRESENTANTE DA ESPANHA AO OSCAR 2018 –
MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Sinopse

A história se passa na Espanha, no verão de 1993. Após a morte de sua mãe, Frida, de seis anos de idade, se muda de Barcelona para o interior da Catalunha para viver com seus tios, que agora são seus responsáveis legais. Antes do verão acabar, a garota terá que aprender a lidar com suas emoções e se adaptar a sua nova vida com sua nova família.

O filme marca a estreia da diretora Carla Simón, que também é responsável pelo roteiro, tendo criado a obra com base em sua própria história. O drama familiar é construído a partir das perdas (primeiro o pai e depois, a mãe) mas também, da nova realidade que se apresenta para Frida. Os silêncios e as poucas palavras e informações vão compondo um mosaico para a menina compreender o que aconteceu, ao mesmo tempo em que ela terá que lidar com suas próprias emoções. A construção psicológica de Frida é um dos destaques do filme, que trata de forma terna uma temática bastante atual e universal.

Trailer